Show simple item record

dc.contributor.advisorHidalgo, Maria Paz Loayzapt_BR
dc.contributor.authorSouza, Camila Morelatto dept_BR
dc.date.accessioned2014-07-16T02:07:27Zpt_BR
dc.date.issued2014pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/97856pt_BR
dc.description.abstractIntrodução: o ciclo de sono-vigília é o comportamento rítmico circadiano mais onipresente nos humanos. Ele é estabelecido por um sistema temporizador circadiano endógeno que é regulado pela presença ou ausência de luz no ambiente. O comportamento em relação a dormir e acordar varia entre os indivíduos e essa característica nomeia-se cronotipo. Efeitos negativos à saúde têm sido associados ao cronotipo que apresenta horários para iniciar e terminar o sono mais tarde. A hipótese considerada para explicar esses achados é de que demandas sociais, que não levam em conta essa variabilidade individual, sejam mediadoras dessa relação. Objetivos: avaliar a associação entre cronotipo e saúde mental (bem-estar psicológico e sintomas depressivos) levando-se em conta fatores demográficos (sexo e idade) e as rotinas de escola ou trabalho. Materiais e métodos: estudos transversais aninhados a um estudo epidemiológico em uma amostra de indivíduos do Vale do Taquari, no sul do Brasil. Na primeira avaliação, 6.506 participantes foram avaliados quanto a variáveis demográficas, dados de saúde, sintomas depressivos (Inventário de Depressão de Beck – BDI) e cronotipo (Questionário de Cronotipo de Munique – MCTQ). Na segunda etapa, 1.127 indivíduos entre 18 e 65 anos, selecionados a partir de seu cronotipo foram avaliados através do Índice de bem-estar de 5-itens da Organização Mundial da Saúde (OMS). O ponto médio do sono nos dias de rotinas de trabalho ou escolares foi utilizado como indicador do cronotipo, sendo “atrasado” aquele que tem o ponto médio mais tarde em relação ao início da noite e “avançado”, mais cedo. Resultados: no primeiro artigo, estudou-se a relação entre cronotipo e depressão em uma amostra de estudantes adolescentes. O modelo de regressão que melhor explicou a diferença entre os grupos com diferentes níveis de sintomas de depressão (BDI<10 X BDI!10) incluiu o sexo feminino e o cronotipo atrasado. O segundo artigo demonstrou que a escala de Bem-estar de 5-itens da OMS tem uma estrutura unidimensional, boa validade interna e externa e utilidade como instrumento de triagem para depressão quando comparada ao BDI. Assim, no terceiro artigo, foi avaliada a relação entre cronotipo e bem-estar, em indivíduos entre 18 e 65 anos. O modelo de regressão que incluiu o cronotipo atrasado, maior carga de trabalho, rotinas de trabalho mais cedo no dia e menor exposição à luz do sol, como variáveis preditoras, e piores escores na Escala de Bem-estar, como desfecho, foi significativo para o sexo feminino. Discussão: a presente tese explicitou a importância de considerar os fatores idade e sexo na expressão do cronotipo e na relação deste com saúde mental. Corroborou com a hipótese de que as demandas sociais mediam a relação entre cronotipo e os desfechos estudados. A expressão do cronotipo nos dias de rotinas escolares ou de trabalho foi identificada como a variável que estabeleceu a mais forte relação com piores escores de bemestar e com mais sintomas de depressão. Por fim, reforçou a necessidade de revermos as rotinas de trabalho e escolares que, ao não considerarem as diferenças fisiológicas individuais, têm-se associado, de forma consistente, a conseqüências negativas à saúde.pt_BR
dc.description.abstractIntroduction: the sleep-wake cycle is the most ubiquitous human circadian rhythmic behavior. It is established by an endogenous circadian timing system that is regulated by the presence or absence of light in the environment. Sleep and wake behavior varies among individuals and this feature has been termed chronotype. Negative health effects have been associated with the chronotype that presents later start and end sleep times. A hypothesis to explain these findings is that social demands, which do not take into account individual variability, are mediators of this relationship. Objectives: to evaluate the association between chronotype and mental health (psychological well-being and depressive symptoms) taking into account demographic factors (age and sex) and the routines of school or work. Materials and methods: the studies included here are cross-sectional nested to an epidemiological study in a sample of individuals from “Vale do Taquari”, in southern Brazil. In the first evaluation, 6,506 participants were assessed for demographic variables, health data, depressive symptoms (Beck Depression Inventory - BDI) and chronotype (Munich Chronotype Questionnaire - MCTQ). In the second stage, 1,127 individuals between 18 and 65 years, selected based on their chronotype, were evaluated through the Well-being 5 items Index from the World Health Organization (WHO). The midpoint of sleep on working or school days was used as an indicator of chronotype, and considered "delayed" or “late” those who have later midpoints in relation to environmental night and "advanced" or “early”, earlier. Results: in the first article, we studied the relationship between chronotype and depression in a sample of adolescent students. The regression model that best explained the difference between groups with different levels of depression symptoms (BDI<10 X BDI!10) included female sex and late chronotype. The second article demonstrated that the Well-being index has a unidimensional structure, good internal and external validities and might be usefulness as a screening tool for depression when compared to the BDI. Thus, in the third article, we evaluated the relationship between chronotype and well-being in individuals between 18 and 65 years. The regression model that included late chronotype, increased workload, earlier working routines in the day and less exposure to sunlight, as predictor variables, and worse scores on the well-being index, as the outcome was significant for females. Discussion: the present thesis content highlighted the importance of considering age and sex as factors influencing the expression of chronotype and the relationship with mental health outcomes. It corroborated the hypothesis that social demands mediate the relationship between chronotype and the studied outcomes. The expression of chronotype during the days of work or school routines was identified as the variable that established the strongest relationship with worse well-being scores and more depression symptoms. Finally, it reinforced the need to reconsider work and school routines that, by not taking into acount individual physiological differences, have been associated consistently with negative health consequences.en
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectChronobiologyen
dc.subjectRitmo circadianopt_BR
dc.subjectCircadian rhythmen
dc.subjectCronoterapia de fase do sonopt_BR
dc.subjectChronotypeen
dc.subjectTranstornos do ritmo circadianopt_BR
dc.subjectCondições sociaispt_BR
dc.subjectMidpoint of sleepen
dc.subjectWellbeingen
dc.subjectSaúde mentalpt_BR
dc.subjectDistribuição por idade e sexopt_BR
dc.subjectDepressionen
dc.subjectAdolescenceen
dc.subjectWorking routinesen
dc.subjectSchool routinesen
dc.titleFatores demográficos e socioculturais implicados na relação entre o ritmo de sono-vigília e saúde mentalpt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.identifier.nrb000920673pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentFaculdade de Medicinapt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Psiquiatriapt_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.date2014pt_BR
dc.degree.leveldoutoradopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record