Show simple item record

dc.contributor.advisorSilva, Eneida Rejane Rabelo dapt_BR
dc.contributor.authorSouza, Emiliane Nogueira dept_BR
dc.date.accessioned2014-07-03T02:04:34Zpt_BR
dc.date.issued2012pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/97184pt_BR
dc.description.abstractIntrodução: Quadros repetidos de descompensação aguda da insuficiência cardíaca (IC) comprometem drasticamente a expectativa e qualidade de vida dos pacientes. Diferentes abordagens (monitorização por telefone, acompanhamento em clínicas de IC e visita domiciliar), para manejo dos pacientes logo após a alta hospitalar, indicam benefício em redução de readmissões em seis meses. A estratégia de visita domiciliar parece ser a mais promissora; contudo, permanece inexplorada em países em desenvolvimento. Objetivos: Verificar o efeito da visita domiciliar para pacientes com IC e internação por descompensação aguda na redução de visitas à emergência, reinternações hospitalares e melhora a qualidade de vida relacionada à saúde, comparada a pacientes sem esse acompanhamento. Métodos: Ensaio Clínico Randomizado conduzido em duas instituições de referência. A intervenção constituiu-se de educação sobre a IC, desenvolvimento de habilidades para o autocuidado, reconhecimento precoce de sinais e sintomas de descompensação e adesão ao tratamento. Pacientes do grupo intervenção receberam quatro visitas domiciliares intercaladas com quatro contatos telefônicos durante seis meses. Os desfechos foram visitas à emergência e reinternação hospitalar por IC descompensada e qualidade de vida relacionada à saúde. Resultados: Foram randomizados 252 pacientes, 123 no grupo intervenção (GI) e 129 no grupo controle (GC). A idade média geral foi de 62±13 anos, e a fração de ejeção média do ventrículo esquerdo de 29,6±8,9%. Em seis meses, foi observada a redução do número de pacientes que visitaram a emergência por IC descompensada no GI (19; 16,2% com 29 visitas) quando comparado ao GC (36; 28,5% com 52 visitas) com RR 0,56 (IC 95% 0,34-0,93), p=0,023. Em relação à reinternação hospitalar pelo mesmo motivo, não houve diferença significativa entre os grupos (GI 22; 18,8% vs GC 32; 25,3%; RR 0,73 IC 95% 0,45-1,19; p=0,206). Em relação à qualidade de vida, houve diferença significativa entre os escores dos grupos em favor da intervenção (GI 68[48-80] vs GC 68[20-68]; p=0,034) na percepção sobre o estado de saúde atual, comparado com um ano atrás e no domínio relacionado à dor (p=0,035). Conclusão: A abordagem de visita domiciliar por enfermeiras para pacientes com internação recente por IC aguda foi efetiva na redução de visitas à emergência, com impacto positivo na percepção do estado geral de saúde e dor.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectInsuficiência cardíacapt_BR
dc.subjectVisita domiciliarpt_BR
dc.subjectReadmissão do pacientept_BR
dc.subjectServiços médicos de emergênciapt_BR
dc.subjectQualidade de vidapt_BR
dc.subjectEnsaio clínicopt_BR
dc.subjectEnsaios clínicos controlados aleatórios como assuntopt_BR
dc.titleEfeito da visita domiciliar e contato telefônico em reinternação hospitalar, visitas à emergência e qualidade de vida relacionada à saúde de pacientes com internação recente por insuficiência cardíaca agudamente descompensada ensaio clínico randomizado – HELEN IIpt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.identifier.nrb000920568pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentFaculdade de Medicinapt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências da Saúde: Cardiologia e Ciências Cardiovascularespt_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.date2012pt_BR
dc.degree.leveldoutoradopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record