Show simple item record

dc.contributor.advisorMaia, Ana Luiza Silvapt_BR
dc.contributor.authorBlom, Carla Braunerpt_BR
dc.contributor.authorProlla, Patrícia Ashtonpt_BR
dc.date.accessioned2019-07-30T02:31:57Zpt_BR
dc.date.issued2014pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/197517pt_BR
dc.description.abstractIntrodução: O câncer papilar de tireóide (CPT) é responsável pela maioria dos tumores malignos da tireóide. O CPT pode ocorrer como parte de síndromes genéticas hereditárias em aproximadamente 5% dos casos, mas não está incluído no espectro de tumores da síndrome de Li-Fraumeni (LFS). Entretanto, em pacientes com LFS carreadores da mutação germinativa TP53 R337H, o CPT é o segundo tipo de câncer mais prevalente, sugerindo ele que possa fazer parte do espectro das neoplasias relacionadas à síndrome. A prevalência da mutação p.R337H em pacientes com CPT não é conhecida. Objetivo: Determinar a prevalência da mutação germinativa TP53 p.R337H e correlacioná-la com as características clínicas e oncológicas em uma coorte de pacientes com PTC. Desenho, Métodos e pacientes: Coorte aleatória de pacientes com PTC em atendimento em Hospital Terciário Universitário. A extração de DNA de sangue periférico foi realizada através do procolo de precipitação de sal (Puregene Gentra®) e através do kit GE. A identificação da mutação do TP53 R337H foi realizada pelo ensaio TaqMan – PCR em Tempo Real. Dados clínicos e laboratoriais foram obtidos de registros em prontuários e por meio de entrevistas individuais. Resultados: Um total de 62 pacientes com CPT foi incluído. A idade média dos pacientes no momento do diagnóstico foi de 48.1 ± 16.2 anos e 53 (85.5%) eram mulheres. O tamanho mediano do tumor foi de 2.3 (1.3-3.7), 23 (37.1%) pacientes tiveram metástases linfonodais e 3 (4.8%) apresentaram metástases à distância. A maioria (37 pacientes; 59.7%) apresentaram categoria I do TNM e foram classificados como Baixo Risco pelo ATA (3; 53.2%). Exposição à radiação ionizante na infância estava presente em 4 (6.5%) pacientes e 9 (14.5%) tinham uma história familiar positiva para CPT. Apenas um paciente apresentou as características da Síndrome de Li-Fraumeni. Nenhum dos pacientes analisados foi positivo para a mutação p.R337H. De modo interessante, 6 (9.7%) pacientes tinham história de câncer de mama e de tireóide sincrônicos. Eles apresentaram idade maior no momento do diagnóstico do PTC (55.73 ± 10.0 vs. 44.53 ± 14.63; p=0.004), mas nenhuma outra característica clínica ou oncológica específica foi identificada neste subgrupo de pacientes. Conclusões: A mutação germinativa TP53 p.R337H, não foi identificada em uma coorte de pacientes com PTC. Baseado em dados da literatura, a prevalência da mutação pode ter sido superestimada e, a possibilidade de uma população não representativa deve ser consideradapt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectCarcinoma papilarpt_BR
dc.subjectGlândula tireóidept_BR
dc.subjectMutação em linhagem germinativapt_BR
dc.titlePapel da mutação germinativa TP53 p.R337H no cancer papilar de tireóidept_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.identifier.nrb000964733pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentFaculdade de Medicinapt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Endocrinologiapt_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.date2014pt_BR
dc.degree.levelmestradopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record