Show simple item record

dc.contributor.advisorAlmeida, Jussara Carnevale dept_BR
dc.contributor.authorTonding, Simone Fredericopt_BR
dc.date.accessioned2011-03-31T06:00:04Zpt_BR
dc.date.issued2010pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/28351pt_BR
dc.description.abstractFundamentos: Indicadores de adiposidade corporal têm sido apontados como bons preditores de risco cardiovascular na população geral. Entretanto, as evidências são escassas em pacientes com Diabetes Melito (DM) tipo 2, nos quais a doença cardiovascular é a principal responsável pela redução da sobrevida. Objetivo: Avaliar o desempenho dos pontos de corte de diferentes indicadores de adiposidade corporal na estimativa de risco coronariano em pacientes com DM tipo 2. Métodos: Estudo transversal envolvendo pacientes com DM tipo 2 atendidos em ambulatório de atenção terciária submetidos à avaliação antropométrica e laboratorial para cálculo do risco coronariano (fatal e não fatal) em cinco e dez anos a partir do Escore UKPDS risk engine e dos indicadores de adiposidade corporal: índice de massa corporal (IMC), circunferência da cintura (CC), razão cintura/quadril (RCQ), razão cintura/estatura (RCE), índice de conicidade (ICO) e produto de acumulação lipídica (LAP). Análise de sensibilidade (SS) e especificidade (EP), a partir da curva ROC (Receiver Operating Characteristic), foi realizada a fim de determinar os melhores pontos de corte (ponto de equilíbrio entre maior SS e EP >50%) dos indicadores de adiposidade na estimativa de risco coronariano. Resultados: Foram estudados 420 pacientes com DM tipo 2 (53,5% mulheres), com idade de 61,9 ± 9,5 anos, IMC de 28,8 ± 4,3kg/m2, tempo de DM de 10,0 (6,0-17,0) anos e A1c de 7,6 ± 1,6 %. Nas mulheres, tanto o ICO como o LAP tiveram um bom desempenho para estimar risco de doença arterial coronariana (DAC) fatal e não fatal em cinco e dez anos, no entanto, o melhor indicador em curto prazo foi o LAP (ponto de corte = 76,90; SS = 100,0%; EP = 61,5%) para ambos os desfechos, e em longo prazo foi o ICO (ponto de corte = 1,37; SS = 64,0%; EP = 61,4% para DAC não fatal, e ponto de corte = 1,37; SS = 71,0%; EP = 60,0% para DAC fatal). Nos homens, o melhor indicador na estimativa de risco de DAC em cinco anos foi a RCQ (ponto de corte = 1,02; SS = 63,6%; EP = 56,4%) e para DAC fatal e não fatal em dez anos foi ICO (ponto de corte = 1,33; SS = 71,3%; EP = 53,6%; e 1,34; SS= 67,6%; EP = 50,0%, respectivamente), embora o LAP também tenha apresentado bom desempenho em longo prazo. Conclusões: Nas mulheres com DM tipo 2 o LAP apresentou melhor desempenho na estimativa de risco de DAC a curto prazo e o ICO em longo prazo. Nos homens a RCQ teve melhor desempenho em curto prazo e o ICO em longo prazo.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectDiabetes mellituspt_BR
dc.subjectAdiposidadept_BR
dc.subjectDoenças cardiovascularespt_BR
dc.subjectObesidadept_BR
dc.subjectAntropometriapt_BR
dc.titleIndicadores de adiposidade corporal na estimativa de risco coronariano em pacientes com Diabetes Melito tipo 2pt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.identifier.nrb000770023pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentFaculdade de Medicinapt_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.date2010pt_BR
dc.degree.graduationNutriçãopt_BR
dc.degree.levelgraduaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record