Show simple item record

dc.contributor.authorCruz, Raimundo José Barrospt_BR
dc.date.accessioned2021-01-08T04:07:19Zpt_BR
dc.date.issued2018pt_BR
dc.identifier.issn1980-4504pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/217160pt_BR
dc.description.abstractO texto reflete o viver como imprecisão e não-domínio. Busca contribuir com a ampliação do sentido do conceito de formação (Bildung), pois, enquanto viagem, ele designa um movimento dinâmico e hermenêutico que nos põem entre a estranheza e familiaridade. É central a pergunta pelo que nos tornamos, e, parte em direção ao movimento misterioso que conduz a vida, sabendo que a marca do mesmo é imprecisão, inconstância, confronto, fronteira, travessia. O outro é compreendido como presença que desestabiliza de forma que o crescimento não está no retornar a si mesmo, mas em reconhecer um mundo infinito jamais dominável ou conceitualizável. Esse é o sentido geral da experiência da alteridade. Como experiência formativa questiona-se o retorno a si mesmo a partir do outro, orientando a deixar valer em nós, algo que é contra nós. Com categoria de Destino perguntamos pelo tempo da formação, o qual, ao contrário de forças pragmáticas e utilitaristas, não pode ser entendido como fluxo, nem mesmo possui um fim. Dessa forma as experiências formativas, que devem necessariamente conceber a dinâmica da vida, abrem-se não só às certezas do viver, mas, sobretudo à possibilidade do incerto.pt_BR
dc.description.abstractThe text reflects life as vagueness and non-domain. It seeks to contribute to the broadening of the meaning of formation (Bildung) concept, as it appoints a dynamic and hermeneutical movement which places us between weirdness and familiarity. It is essential to inquire what we have turned into, and it heads for the mysterious movement that conducts life, knowing that its imprint is inaccuracy, changeability, confrontation, border and crossing. Someone else’s presence is perceived as disturbing, and growth does not rely on returning to oneself, yet, on recognizing an endless world that shall never be dominated or conceptualized. This is the general meaning of the experience of otherness. As a formative experience the return to the self through the other person is questioned, leading us to allow the prevalence of something that is against us. Being categorized as Fate the formation time is questioned, which, in opposition to pragmatic and utilitarian forces cannot be understood as a flow and it does not even hold an end. Thus, the formative experiences, which are supposed to conceive the dynamics of life, unfold not only to the certainty of life, but also to the possibility of the unknown.en
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.relation.ispartofBoitatá. Londrina, PR : GT de Literatura Oral e Popular da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Letras e Linguística - ANPOLL. Vol. 13, n. 25 (jan./jun. 2018), p. 64-74pt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectDestinopt_BR
dc.subjectFateen
dc.subjectFormationen
dc.subjectBildungpt_BR
dc.subjectFormaçãopt_BR
dc.subjectCrossingen
dc.subjectTravessiapt_BR
dc.subjectOthernessen
dc.subjectAlteridadept_BR
dc.titleBildung (formação) como viagem é a experiência da alteridadept_BR
dc.typeArtigo de periódicopt_BR
dc.identifier.nrb001115441pt_BR
dc.type.originNacionalpt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record