Show simple item record

dc.contributor.advisorPalma, Miriam Stockpt_BR
dc.contributor.authorAzevedo, Jaqueline Bastospt_BR
dc.date.accessioned2010-03-26T04:16:31Zpt_BR
dc.date.issued2009pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/18898pt_BR
dc.description.abstractO movimento que as crianças realizam espontaneamente em seu cotidiano é importante para o seu desenvolvimento, porém a literatura tem apontado outros fatores que podem exercer influência sobre o nível de desempenho motor que essas crianças irão apresentar, dentre os quais a variedade de experiências motoras vivenciadas desde tenra idade aliada à intervenção de um professor que conheça e considere as características e necessidades de seus alunos. Nessa perspectiva, esse estudo teve como objetivos avaliar e comparar o nível de desempenho motor de crianças a) que não participam de aulas de educação física, b) que participam de aulas de educação física ministradas pelo(a) professor(a) de sala e c) que participam de aulas de educação física ministradas por estagiários(as) de educação física durante as séries iniciais. Além disso, foi verificada a influência do sexo sobre esse desempenho. Participaram do estudo 36 crianças com dez anos de idade que frequentam, em 2009, a 4ª série do Ensino Fundamental de três escolas públicas da rede estadual de Porto Alegre. Para a análise do desempenho motor foi utilizado o Test of Gross Motor Development – Second Edition (TGMD-2), de Ulrich (2000). Para o controle da prática sistemática de atividade física fora da escola, foi solicitado que as crianças dos três grupos respondessem a um questionário com informações a esse respeito. Os resultados apontam que o desempenho motor das crianças que não participam de aulas de educação física é considerado muito pobre e o das crianças que participam de aulas de educação física, tanto com o(a) professor(a) de sala quanto com os(as) estagiários(as) da área, pobre. Através do teste One Way ANOVA, foram constatadas diferenças estatisticamente significativas no Coeficiente Motor Amplo entre as crianças que participam de aulas de educação física ministradas pelos(as) estagiários(as) da área e as que não participam dessas aulas. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre o grupo que participa de aulas de educação física com o os(as) estagiários(as) da área e o que participa de aulas ministradas pelo(a) professor(a) de sala, assim como entre o grupo que não participa de aulas de educação física e o que participa de aulas com o(a) professor(a) de sala. Além disso, verificou-se que o sexo não se mostrou uma variável que influencia o desempenho motor dessas crianças. Considerando os resultados obtidos, cabe-nos a preocupação quanto ao desempenho motor geral verificado, na medida em que os scores apresentam-se em níveis aquém do esperado para a idade. Ressalta-se ainda a importância de aulas de educação física, nas séries iniciais, uma vez que as crianças que não possuem essa oportunidade mostram desempenho muito baixo.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectDesempenho motorpt_BR
dc.subjectCriançaspt_BR
dc.subjectEscolas públicaspt_BR
dc.titleNível de desempenho motor de crianças com 10 anos de idade em escolas públicas de Porto Alegrept_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.identifier.nrb000732409pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentEscola de Educação Físicapt_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.graduationEducação Física: Licenciaturapt_BR
dc.degree.levelgraduaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record