Show simple item record

dc.contributor.advisorElisabetsky, Elainept_BR
dc.contributor.authorGiongo, Franciele Kichpt_BR
dc.date.accessioned2016-11-12T02:14:57Zpt_BR
dc.date.issued2016pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/149603pt_BR
dc.description.abstractSomos confrontados diariamente com situações estressantes: apresentando trabalhos em congressos, cumprindo prazos no trabalho ou simplesmente enfrentando o trânsito diário. Quando somos submetidos a eventos estressores dois sistemas são ativados: o sistema nervoso simpático, o qual libera noradrenalina e adrenalina; o eixo hipotálamo-pituitáriaadrenal (eixo HPA), o qual levará – em última análise – à liberação de glicocorticóides. Disfunções no eixo HPA, relacionadas a estresse sustentado ou mesmo agudo quando severo, tem sido relacionadas a diversas patologias, incluindo transtornos de ansiedade e depressão maior. Transtornos de ansiedade e depressão maior caracterizam-se por serem condições de importante morbidade neuropsicológica e afetarem parte significativa da população. Estes transtornos tem seu tratamento baseado em abordagens psicológicas e/ou farmacológicas, nem sempre eficazes e acompanhados de efeitos adversos indesejados. Desta maneira, o estudo de novos sistemas mediadores, como o sistema glutamatérgico, vem ganhando espaço na compreensão destes transtornos, bem como o desenvolvimento de novos fármacos que sejam farmacodinamicamene diferenciados dos atualmente disponíveis. A N-acetilcisteína (NAC), usada classicamente como agente mucolítico e na intoxicação por paracetamol, vem sendo usado na neuropsiquiatria, um fenômeno conhecido na indústria farmacêutica como repurposing. No presente estudo, camundongos BALB/c foram submetidos a 10 dias de estresse por contenção, e tratados (por via intraperitoneal) com salina, imipramina (20 mg/kg) ou NAC (30 mg/kg ou 100 mg/kg) durante os últimos cinco dias de estresse. Os animais foram testados quanto ao comportamento tipo ansioso (claro-escuro e campo aberto) e quanto ao comportamento tipo depressivo (teste de suspensão pela cauda). O peso dos animais foi monitorado diariamente. O estresse foi capaz de induzir comportamento tipo ansioso no teste de campo aberto e diminuição no ganho de peso. Não foram observados resultados relevantes quanto ao comportamento tipo depressivo. Os dados não foram suficientemente claros para concluir sobre a ação das drogas testadas. Os resultados sugerem que alterações no tempo de estresse, testes comportamentais e esquema de tratamento são necessárias para que o modelo seja adequadamente validado.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectEstresse fisiológicopt_BR
dc.subjectTranstornos de ansiedadept_BR
dc.subjectDepressãopt_BR
dc.subjectAcetilcisteínapt_BR
dc.titleEfeitos da N-acetilisteína em modelo de estresse sub-crônico por contenção em camundongos BALB/cpt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisor-coHerrmann, Ana Paulapt_BR
dc.identifier.nrb001006416pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentInstituto de Ciências Básicas da Saúdept_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.date2016pt_BR
dc.degree.graduationBiomedicinapt_BR
dc.degree.levelgraduaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record