Show simple item record

dc.contributor.advisorGodoy, Maria Gabriela Curubetopt_BR
dc.contributor.authorSiebeneichler, Priscilapt_BR
dc.date.accessioned2016-06-16T02:07:41Zpt_BR
dc.date.issued2015pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/142654pt_BR
dc.description.abstractEste estudo objetiva investigar de que forma se dá a inclusão de saberes oriundos das Práticas Integrativas e Complementares (PICs) em saúde e da Educação Popular nos cursos de graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) pertencentes à área da saúde - segundo classificação do Ministério da Educação (2010) – no âmbito das Políticas Nacionais de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PNPIC) no SUS e de Educação Popular em Saúde (PNEPS). As PICs designam um conjunto de sistemas médicos complexos e recursos terapêuticos (BRASIL, 2006). A Educação Popular em Saúde se apresenta como um caminho capaz de contribuir com metodologias, tecnologias e saberes para a constituição de novos sentidos e práticas no âmbito do SUS (BRASIL, 2012). É um estudo quantitativo, descritivo, exploratório que consiste em um levantamento e análise documental de disciplinas formativas a partir de fonte livre e gratuita secundária de dados. O campo de estudo são todos os currículos de graduação de cursos da UFRGS catalogados pelo Ministério da Educação (BRASIL, 2010) como da área Ciências Biológicas e da Saúde. O trabalho justifica-se por questões relacionadas à necessidade de verificar a penetração de tais temas nos currículos da saúde; por uma literatura escassa sobre o tema; e por questões ético-políticas, por contribuir com uma temática que precisa ser aprofundada no SUS. Sua relevância está em fornecer subsídios para ampliar a inclusão das PICs nos currículos acadêmicos, formando trabalhadores capacitados para atuar com esse tema. Os resultados apontaram que ambas Políticas e suas temáticas são abordadas de forma extremamente reduzida, relegadas a um segundo plano, disponíveis em sua maioria, como disciplinas eletivas, as quais representam nem 2% da média de carga horária dos 13 cursos estudados. Utilizando as políticas como ferramentas para repensar o atual paradigma da saúde, se faz necessário remontar uma visão holística do ser, numa tentativa, ainda que limitada, de resgatar uma ótica ancestral da complexidade humana, apontando a necessidade de um paradigma para abordagem da vida, integrando ciência, filosofia, ancestralidade, arte e outras áreas do saber humano, para a conquista do Bem Viver coletivo, e individual.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectIntegralidade em saúdept_BR
dc.subjectEducação em saúdept_BR
dc.subjectEducação popular : Saúdept_BR
dc.subjectPráticas integrativas e complementares : Saúdept_BR
dc.titlePráticas integrativas e complementares em saúde na universidade : a formação como mola propulsora do bem viverpt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.identifier.nrb000987549pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentEscola de Enfermagempt_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.date2015pt_BR
dc.degree.graduationEnfermagempt_BR
dc.degree.levelgraduaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record