Show simple item record

dc.contributor.advisorLucion, Aldo Boltenpt_BR
dc.contributor.authorTodeschin, Anelise Schindlerpt_BR
dc.date.accessioned2010-06-12T04:17:30Zpt_BR
dc.date.issued2010pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/23755pt_BR
dc.description.abstractEventos que acontecem aos filhotes, tais como intervenções no ambiente ou alterações no comportamento maternal, durante o período neonatal induzem a alterações neuroendócrinas e comportamentais estáveis, percebidas já na infância e perduram na vida adulta do animal. O modelo de manipulação dos filhotes no período neonatal tem sido estudado com o objetivo de tentar compreender as alterações no ambiente perinatal e suas manifestações, visto que muitas patologias psicológicas podem ser desencadeadas neste período e se manifestar na vida adulta. A principal conseqüência da manipulação neonatal é uma redução da ansiedade a ambientes novos em ratos adultos. Logo após o nascimento, o sistema nervoso central (SNC) ainda está em formação e intervenções ocorridas no período neonatal afetam alguns sistemas neurais. Este trabalho teve como objetivo estudar o efeito da manipulação durante os primeiros dias de vida, em filhotes de rato e suas conseqüências em comportamentos sociais e em sistemas neurais relacionados à ocitocina e vasopressina. A ocitocina, um hormônio neuro-hipofisário cujo papel na reprodução é bem conhecido foi estudado neste trabalho porque tem funções importantes no SNC, principalmente em modular comportamentos, como sexual, social, afetivos e memória social. A vasopressina, conhecida por sua função na manutenção da osmolalidade, também é reconhecida por modular agressividade, o eixo hipotálamo-hipófise-supra-renal, comportamentos sexuais, memória e tem sido estudada em transtornos depressivos. Este estudo comparou vários parâmetros relacionados à produção e à liberação de ocitocina e vasopressina entre ratos manipulados e não-manipulados no período neonatal. Os resultados apresentados neste trabalho mostram uma reduzida interação social em ratos adultos. Ainda pôde-se observar aumento da agressividade nestes animais. Esse efeito comportamental aparentemente é dependente do sexo, pois somente foi detectado em machos. Também foi relatado um menor número de neurônios ocitocinérgicos e um aumento no número dos vasopressinérgicos no hipotálamo de ratos adultos, machos e fêmeas, que sofreram manipulação. Não foi demonstrada diferenças na liberação destes hormônios na resposta ao estresse, nem na expressão total de ocitocina e de vasopressina no núcleo paraventricular de ratos adultos. Entretanto, em filhotes machos e fêmeas, aos 10 dias de idade, pôde-se observar que a manipulação aumenta a secreção plasmática de ocitocina. Conclui-se assim, que, a manipulação no período neonatal interfere negativamente no estabelecimento de relações sociais na vida adulta, podendo ter como causa uma possível alteração nos sistemas ocitocinérgico e vasopressinérgico central nestes.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectManipulação neonatalpt_BR
dc.subjectOcitocinapt_BR
dc.subjectComportamento socialpt_BR
dc.subjectMemóriapt_BR
dc.titleManipulação neonatal, ocitocina, vasopressina e comportamentos sociais em ratospt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.identifier.nrb000743639pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentInstituto de Ciências Básicas da Saúdept_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Biológicas: Fisiologiapt_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.date2010pt_BR
dc.degree.leveldoutoradopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record