Show simple item record

dc.contributor.advisorSilva, Clecio Homrich dapt_BR
dc.contributor.authorAnele, Carolina Ribeiropt_BR
dc.date.accessioned2020-07-02T03:36:43Zpt_BR
dc.date.issued2020pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/211294pt_BR
dc.description.abstractIntrodução: a mortalidade infantil é um importante e sensível indicador de saúde em diversos países, sobretudo, nos subdesenvolvidos e naqueles em desenvolvimento. Por isso, o monitoramento constante das taxas de mortalidade infantil (MI) e dos seus fatores determinantes são fundamentais para a elaboração e planejamento de políticas públicas na área da saúde materno-infantil. Dessa forma, o presente estudo comparou o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) da macrorregião de domicílio materno com a escolaridade materna e sua associação com a mortalidade infantil no município de Porto Alegre. Métodos: trata-se de um estudo de coorte retrospectivo com informações oriundas dos Sistemas de Informação em Saúde de Nascidos Vivos e de Mortalidade (SINASC e SIM). Posteriormente, se desenvolveu um linkage entre os dois bancos por intermédio do número da Declaração de Nascido Vivo, nome da mãe e data de nascimento. Adicionalmente foi incluída a variável IDHM das macrorregiões de domicílio materno e seus três componentes: IDHM Renda (IDHMR), IDHM Longevidade (IDHML) e IDHM Educação (IDHME), os quais, posteriormente, foram classificados em baixo, médio, alto e muito alto. A análise descritiva das variáveis foi apresentada como frequências absolutas e relativas. Para verificar a associação das variáveis qualitativas foi realizado o teste de Quiquadrado. A associação entre os fatores determinantes envolvidos (variáveis independentes) com o desfecho do estudo foi realizada por análise bivariada através da regressão de Poisson simples. Aquelas que demonstraram associação estatisticamente significativa (p<0,001) foram utilizadas numa regressão de Poisson múltipla para variâncias robustas – modelo ajustado. O estudo foi aprovado pelos Comitês de Ética em Pesquisa do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) e da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre (SMSPA) por intermédio, respectivamente, dos protocolos 2.940.235 e 3.153.671. Resultados: foram incluídos no estudo 311.361 crianças, das quais 2.271 foram a óbito. No presente estudo foram fatores de risco para a mortalidade infantil ser mãe solteira, separada ou viúva (RR= 1,95; IC95%: 1,77-2,15) ou com um pré-natal com um número inferior a sete consultas [nenhuma (RR=14,04 IC95%: 12,41-15,89) ou de 1 a 3 (RR= 7,53 IC95%: 6,73-8,43) ou de 4 a 6 (RR= 3,30; IC95%: 2,96-3,69)]; recém-nascidos com Índice de Apgar menor que sete no 5º minuto (RR= 42,82; IC95% 39,34-46,62), nascidos pré-termos [com idade gestacional igual ou menor que 27 semanas (RR=173,29; IC95% 159,58-188,17) ou de 28 a 21 (RR= 40,21; IC95%35,62-45,39) ou de 32 a 36 semanas (RR= 4,01; IC95% 3,53-4,55)] ou em hospital público (RR= 3,64; IC95% 3,15-4,21) ou misto (RR= 3,29; IC95% 2,82-3,84). Ao contrário, mães primíparas (RR=0,77; IC95% 0,71- 0,84) e recém-nascidos com peso maior que 2.500 gramas (RR=0,59; IC95% 0,05- 0,06) ou do sexo feminino (RR=0,88; IC95% 0,81-0,96) foram protetores. O IDHM da macrorregião de domicílio materno não apresentou associação com a MI, após ser controlado para escolaridade materna e ajustado para as demais variáveis confundidoras e/ou mediadoras. Diferentemente, a baixa escolaridade materna (<8 anos de estudo) demonstrou associação com a MI (p<0,001). Conclusão: o IDHM das macrorregiões do domicílio materno não mostrou associação com a MI, enquanto, ao contrário, a menor escolaridade materna mostrou influência. Assim, embora já consolidados na literatura, os fatores como o número de consultas pré-natais menor que sete, a idade gestacional menor que 37 semanas, o Índice de Apgar do recémnascido menor que sete, o baixo peso ao nascer (menor que 2.500 gramas) e o sexo masculino demonstraram associação com a mortalidade infantil em Porto Alegre. Nesse sentido, torna-se necessário reforçar a importância das políticas públicas existentes para o desenvolvimento de práticas assistenciais qualificadas na área da saúde materno-infantil.pt_BR
dc.description.abstractBackground: infant mortality is an important and sensitive indicator of health in many countries, especially underdeveloped and developing countries. Therefore, constant monitoring of infant mortality rates and their determining factors are fundamental for the elaboration and planning of public policies in the area of maternal and child health. Thus, the present study compared the Municipal Human Development Index (MHDI) of the maternal household macro-region with maternal education and its association with infant mortality in the city of Porto Alegre. Methods: this is a retrospective cohort study with information from the Live Birth and Mortality Health Information Systems. Subsequently, a linkage between the two databases was developed through the Live Born Declaration number, mother's name and date of birth. Additionally, the MHDI variable of the maternal domicile macroregions and its three components were included: MHDI Income (MHDII), MHDI Longevity (MHDI) and MHDI Education (MHDIE), which were subsequently classified into low, medium, high and very high. The descriptive analysis of the variables was presented as absolute and relative frequencies. To verify the association of qualitative variables, the chisquare test was performed. The association between the determinant factors involved (independent variables) and the study outcome was performed by bivariate analysis using simple Poisson regression. Those that demonstrated a statistically significant association (p<0.001) were used in a multiple Poisson regression for robust variances - adjusted model. The study was approved by the Research Ethics Committees of the Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) and the Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre (SMSPA), respectively, through protocols 2,940,235 and 3,153,671. Results: the study included 311361 children, of whom 2271 died. In the present study were risk factors for infant mortality from being a single mother, separated or widowed (RR= 1.95; 95%CI: 1.77-2.15) or with a prenatal care with fewer than seven visits [ none (RR = 14.04 95% CI: 12.41-15.89) or from 1 to 3 (RR= 7.53 95%CI: 6.73-8.43) or from 4 to 6 (RR= 3.30; 95%CI: 2.96-3.69)]; newborns with an Apgar Index less than seven at the 5th minute (RR= 42.82; 95%CI 39.34-46.62), preterm infants [with a gestational age of 27 weeks or less (RR= 173.29; 95%CI 159.58-188.17) or 28 to 21 (RR= 40.21; 95%CI 35.62-45.39) or 32 to 36 weeks (RR = 4.01; 95% CI 3 , 53-4.55)] or in a public hospital (RR= 3.64; 95%CI 3.15-4.21) or mixed (RR= 3.29; 95%CI 2.82-3.84). In contrast, primiparous mothers (RR= 0.77; 95%CI 0.71-0.84) and newborns weighing more than 2,500 grams (RR= 0.59; 95%CI 0.05-0.06) or females (RR= 0.88; 95%CI 0.81-0.96) were protective. Conclusion: the MHDI of the macroregion of maternal domicile was not associated with infant mortality after being controlled for maternal education and adjusted for other confounding and/or mediating variables. In contrast, low maternal education (<8 years of schooling) was associated with infant mortality (p <0.001). Conclusion: The MHDI of the macroregions of the maternal domicile did not influence the IM, while, on the contrary, the lower maternal education showed an influence. Thus, although already consolidated in the literature, factors such as the number of prenatal consultations less than seven, gestational age less than 37 weeks, newborn Apgar score less than seven, low birth weight (less than 2,500 grams) and males showed an association with infant mortality at Porto Alegre. In this sense, it is necessary to reinforce the importance of existing public policies for the development of qualified care practices in the area of maternal and child health.en
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectDesenvolvimento humanopt_BR
dc.subjectHuman developmenten
dc.subjectEscolaridadept_BR
dc.subjectEducational statusen
dc.subjectInfant mortalityen
dc.subjectMortalidade infantilpt_BR
dc.subjectEstatisticas vitaispt_BR
dc.subjectVital statisticsen
dc.subjectHealth information systemsenen
dc.subjectSistemas de informação em saúdept_BR
dc.subjectCriançapt_BR
dc.subjectAdolescentept_BR
dc.subjectPorto Alegre (RS)pt_BR
dc.titleA comparação entre o índice de desenvolvimento humano da macrorregião de domicílio e a escolaridade materna com a mortalidade infantil no município de Porto Alegrept_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.identifier.nrb001115136pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentFaculdade de Medicinapt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescentept_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.date2020pt_BR
dc.degree.levelmestradopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record