Show simple item record

dc.contributor.advisorJunqueira Filho, Gabriel de Andradept_BR
dc.contributor.authorKeniger, Ana Carolina Fetznerpt_BR
dc.date.accessioned2019-06-05T02:33:58Zpt_BR
dc.date.issued2018pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/195090pt_BR
dc.description.abstractPor que falar sobre mulheres extraordinárias na escola? O presente trabalho se constrói em torno desse questionamento. A partir dele, surge a necessidade de contextualizar as lutas das mulheres na história, expondo suas mobilizações e reivindicações que promoveram avanços na conquista de direitos, mas que, ao mesmo tempo foram marcadas por retrocessos e resistências de forças conservadoras, contrárias ao que, eventualmente, viria a ser chamado de movimento feminista. Conceituar o termo gênero, nesse sentido, é essencial para indicar alguns dos caminhos mais recentes dos Estudos Feministas, que afirmaram o caráter cultural das relações entre mulheres e homens e que deram visibilidade às pautas colocadas pelas mulheres, mas que, infelizmente, ainda não foram suficientes para interferir de forma efetiva na realidade brasileira – submersa em desigualdades e em violências de gênero. Para podermos analisar e indicar os porquês dessa conjuntura, são apresentados dados sobre a situação das mulheres no Brasil que a comprovam e que constatam a imprescindibilidade de outras formas de atuação, as quais, neste trabalho, têm como foco principal a escola, instituição que tem corroborado em larga escala com a produção dessas desigualdades e com a manutenção das relações de poder sobre as quais elas estão estruturadas. ( Continua) Diante desta realidade e reconhecendo a escola como um agente indispensável para a efetiva transformação da sociedade, é urgente tanto a revisão e problematização dos conhecimentos e dos currículos veiculados nesta instituição, quanto a proposição de projetos que convidem à reflexão sobre a necessidade de construção de uma sociedade (e de uma escola) livre de estereótipos, que possibilite o desenvolvimento pleno e autêntico do ser humano e que seja baseada nos princípios da igualdade de gênero e do respeito à diversidade e, portanto, feminista. Como contribuição para esse processo, é disponibilizado um plano de ação destinado a professoras e a professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Inspirado nos Projetos de Trabalho de Hernández (1998), sugere a realização de cinco exercícios para abordar a temática de gênero – via mulheres extraordinárias – no currículo, tendo como princípios a ludicidade, o protagonismo compartilhado entre as crianças, a professora e o conhecimento e o uso de múltiplas linguagens de modo a possibilitar reflexões e relações dialógicas e dialéticas.pt
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectFeminismopt_BR
dc.subjectMulherpt_BR
dc.subjectGêneropt_BR
dc.titlePor que falar sobre mulheres extraordinárias na escola? exercícios propositivos para uma educação feministapt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.identifier.nrb001092203pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentFaculdade de Educaçãopt_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.date2018pt_BR
dc.degree.graduationPedagogia: Licenciaturapt_BR
dc.degree.levelgraduaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record