Show simple item record

dc.contributor.advisorBianchin, Marino Muxfeldtpt_BR
dc.contributor.authorVarela, Juliana Santospt_BR
dc.date.accessioned2017-11-01T02:32:39Zpt_BR
dc.date.issued2017pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/169972pt_BR
dc.description.abstractBase teórica: A epilepsia é uma doença neurológica crônica, que causa grande impacto na qualidade de vida dos pacientes afetados. Isto se deve a fatores psicossociais e outros associados à própria epilepsia, além dos efeitos adversos das medicações utilizadas no tratamento. Estima-se que o controle satisfatório das crises seja alcançado em apenas uma parte dos pacientes e, muitas vezes, às custas de efeitos adversos significativos, principalmente nos pacientes com epilepsia refratária. Devido à falta de padronização na definição de epilepsia refratária, que dificulta a sua identificação e o cuidado dos pacientes, em 2010 a ILAE (International League Against Epilepsy) propôs uma classificação para identificar pacientes controlado e não controlados e às custas de efeitos adversos ou não. Objetivo: O presente trabalho tem como objetivo aplicar os critérios de epilepsia fármaco-resistente, propostos pela ILAE em 2010, em pacientes com epilepsia em acompanhamento em um centro de referência e avaliar os efeitos adversos de medicações sobre a qualidade de vida, através da aplicação de questionários padronizados.Métodos: Foram incluídos 81 pacientes com diagnostico definido de epilepsia em acompanhamento em um centro terciário. Todos os pacientes tinham mais de 18 anos, estavam em uso de droga antiepiléptica em dose estável por pelo menos 3 meses, não foram diagnosticados com outras comorbidades clinicas ou psiquiátricas e não estavam em uso regular de nenhuma outra medicação que não o DAE. Os pacientes foram classificados em quatro grupos seguindo as orientações da ILAE: 1A (crises controladas, sem efeitos adversos); 2A (crises não controladas, sem efeitos adversos); 1B (crises controladas, com efeitos adversos), 2B (crises não controladas, com efeitos adversos). Na avaliação da qualidade de vida foi utilizado o questionário QOLIE-31 (Quality of life in epilepsy-31) e para auxiliar na avaliação da presença de efeitos adversos foi utilizada a escala LAEP (Liverpool adverse effects profile). Conclusão: Os pacientes dos grupos com pior controle de crises (2A e 2B) mostraram piores escores de qualidade de vida, enquanto que os grupos com controle de crises (1A e 1B) mostraram melhor qualidade de vida, independente da presença de efeitos adversos. A escala LAEP foi útil na avaliação de efeitos adversos por ajudar a diminuir a subjetividade desta avaliação. É conhecido da literatura que o controle de crises e a presença de efeitos adversos podem impactar negativamente na qualidade de vida dos pacientes com epilepsia. No nosso trabalho, a presença de efeitos adversos não foi um fator que influenciou na qualidade de vida, o que pode estar associado ao número das amostras.pt_BR
dc.description.abstractBackground: Epilepsy is a chronic neurological disease that causes a great impact in the quality of life of the patients. This is related not only due to psychosocial factors but also due to factors associated with the disease itself, as well as to the antiepileptic drugs adverse effects. It is estimated that the good seizure control will be achieved for only some patients and many times with significant adverse effects, mainly in patients with drug resistant epilepsy. Since there was no defined criteria for refractory epilepsy, making the identification and care of these patients more difficult, in 2010 the International League Against Epilepsy (ILAE) suggested a classification to identify patients with good seizure control or uncontrolled seizures, with or without adverse effects. Objectives: Our work aims to use the ILAE 2010 criteria to identify patients with drug resistant epilepsy in patients of a referral center and to evaluate their quality of life and the presence of antiepileptic drugs adverse effects. Methods: It was included 81 patients with a defined diagnosis of epilepsy, all patients were 18 years old or older, were using an antiepileptic drug in a stable dose for at least 3 months, did not have other clinical or psychiatric diagnosis and were not using any other medication than the antiepileptic drug. Patients were classified in four groups, according to ILAE guidelines: 1A (good seizure control, no adverse effects); 2A (no seizure control, no adverse effects); 1B (good seizure control, with adverse effects), 2B (no seizure control, with adverse effects). For the evaluation of quality of life it was used the QOLIE-31 (Quality of life in epilepsy-31) questionnaire and for the evaluation of adverse effects it was used the LAEP (Liverpool adverse effects profile) questionnaire. Conclusion: Patients from groups with poor seizure control (2A and 2B) showed worse scores for quality of life while patients from groups with good seizure control (1A and 2A) showed better scores, regardless the presence of adverse effects. The LAEP scale was useful for the evaluation of adverse effects, since it helped to decrease the subjectivity in the evaluation. It is known from literature that seizure control and adverse effects have a negative impact the quality of life in patients with epilepsy. In our study, we were not able to show that the presence of adverse effects influenced the quality of life, this may be associated with the sample size.en
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectdrug resistant epilepsyen
dc.subjectEpilepsia resistente a medicamentospt_BR
dc.subjectConvulsõespt_BR
dc.subjectSeizure controlen
dc.subjectQuality of lifeen
dc.subjectQualidade de vidapt_BR
dc.subjectILAEen
dc.titleQualidade de vida e controle de crises epilepticas conforme definição da International League Against Epilepsypt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.identifier.nrb001050886pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentFaculdade de Medicinapt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicaspt_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.date2017pt_BR
dc.degree.levelmestradopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record