Show simple item record

dc.contributor.advisorHeldt, Elizeth Paz da Silvapt_BR
dc.contributor.authorLongoni, Nathaliapt_BR
dc.date.accessioned2014-08-16T02:12:35Zpt_BR
dc.date.issued2014pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10183/101269pt_BR
dc.description.abstractDe acordo com o Programa Saúde na Escola (PSE), as equipes da atenção primária são responsáveis por desenvolver ações de promoção e prevenção de saúde nas escolas da rede pública de ensino fundamental e médio da respectiva área de abrangência. Uma das ações está direcionada para a construção de um clima escolar mais favorável. O clima escolar refere-se à qualidade de vida na escola e é definido com base nas percepções de professores e alunos, contemplando diversos aspectos, como: normas da escola, relacionamentos, ensino e a estrutura organizacional. Para construir um clima escolar mais favorável, os professores precisam estar aptos, o que pode ocorrer por meio de capacitações com temas relevantes e atuais. O objetivo do presente trabalho foi de avaliar o impacto da capacitação em saúde para professores desenvolvida pela equipe multidisciplinar da atenção primária nas diferentes dimensões do clima escolar. Trata-se de um quase experimento com professores de cinco escolas estaduais da área de abrangência da Unidade Básica de Saúde (UBS) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Foram planejadas 11 oficinas com diferentes temas definidos em conjunto com a equipe da UBS e que ocorreram entre julho e novembro de 2013. Para avaliar o clima escolar foi aplicado no início e no término das oficinas o instrumento Avaliação das Dimensões do Clima Escolar que avalia cinco dimensões: segurança, ambiente, relacionamento, ensino e relação com a direção. O projeto foi aprovado no CEP/HCPA (nº120153). Entre os 79 professores que responderam o instrumento no primeiro dia, 48 (61%) preencheram no final previsto para as oficinas. A média (desvio padrão) de idade da amostra foi de 44 (DP= 11,07) anos e apresentavam 16 (DP=10,68) anos de experiência no ensino. A mediana (intervalo interquartis) de participação nas oficinas foi de 3 (2-4). Não houve diferença significativa nas dimensões do clima escolar após a participação nas oficinas. Entretanto, as dimensões de segurança e de ambiente foram significativamente diferentes entre as escolas (p<0,001). O clima escolar pode ser influenciado por vários fatores e a realização de capacitações isoladamente não alterou o clima na escola. Contudo, foi considerando a opinião somente dos professores e novos estudos que incluam os alunos e avaliem outros fatores ainda precisam ser realizados.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsOpen Accessen
dc.subjectSaúde escolarpt_BR
dc.subjectCapacitaçãopt_BR
dc.subjectDocentespt_BR
dc.titleAvaliação do impacto da capacitação em saúde para professores nas diferentes dimensões do clima escolarpt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.identifier.nrb000931887pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentEscola de Enfermagempt_BR
dc.degree.localPorto Alegre, BR-RSpt_BR
dc.degree.date2014pt_BR
dc.degree.graduationEnfermagempt_BR
dc.degree.levelgraduaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail
   

This item is licensed under a Creative Commons License

Show simple item record